A profissão mais velha do mundo

Não há nada mais impessoal do que frequentar um serviço de prostituição. É como masturbares-te com alguém por baixo.

Três amigos entram num estabelecimento noturno situado na zona nobre da cidade. Passada a primeira vistoria aproximam-se do bar, duas cervejas e uma água para o motorista designado. O cavalheiro do bar apresenta-lhes os preços da casa provando-os concomitantemente adequados, quer à carteira quer à intenção festiva dos rapazes. Uma garrafa, duas, três. Sentados e regalados, um par de raparigas – convocadas pela opulência – aborda o trio intencionando convertê-lo num quinteto. Os rapazes anuem (o condutor entreteve-se no telemóvel) e em breve partilharão bebidas, depois conversas, depois intimidades e depois intimidade. Abandonaram o espaço uma hora umas horas mais tarde, com as recém-conhecidas, rumo à prazenteira privacidade desejada.
Este podia ser o retracto de qualquer clube nocturno de qualquer lugar no mundo, mas na verdade as palavras antecedentes, reportam à noite num bordel

night angels

O espaço, publicitado em inúmeros diretórios inclusive o da Câmara Municipal de Lisboa, mudou algumas vezes de gerência e até de nome (a foto está desatualizada). É hoje explorado por uma empresa registada em 1972 e com o CAE 56305 – “Estabelecimentos de bebidas com espaço de dança” (já possuiu o CAE 56302 de apenas “bar”). Segundo o registo einforma, a empresa teve um incremento de vendas em 2013 e possui apenas um funcionário. Teve também uma alteração ao capital social decorrente do recente divórcio do sócio maioritário, capital social esse que corresponde sensivelmente a 10.000 €.

Os pagamentos far-se-iam preferencialmente em dinheiro, mas o pagamento multibanco transfere os onerosos montantes para uma conta pessoal em Setúbal, provavelmente do empregado. A prostituição não é ilegal em Portugal, mas segundo o artigo 169 º do Código Penal, “Quem, profissionalmente ou com intenção lucrativa, fomentar, favorecer ou facilitar o exercício por outra pessoa de prostituição é punido com pena de prisão de seis meses a cinco anos”. Ficamos no decorrer da noite a saber que as raparigas ganham metade do que os clientes consomem, que um espaço idêntico se gera com um investimento de 15.000 e que o proprietário faz perto de 5000 € por mês, limpos de impostos. Sabemos também que as instalações nunca se fixam no mesmo local por muito tempo (as empresas parecem rodar entre espaços pré-existentes), assim como as raparigas.

Apercebo-me no decorrer da noite como os serviçais não vendem o sexo, vendem uma experiência: Com a verosimilidade de Meryl Streep, interpretam o papel de jovem interessada, apaixonada, atraída, Fazem perguntas e riem-se fatalmente das respostas, oscilando entre a doçura e a provocação, enquanto desabrocham a carteira mas também a sensualidade do cliente. Nem um dos vislumbrados vem para se vir, mas para se ver objecto de desejo, desejável. Diferente do que observei na Alemanha aonde a legalização remonta a 2002 e a interacção é maquinal, industrial, com preços tabelados (não negociáveis) e uma vigilância dissuasora evita abusos mas incrementa a distância, as raparigas são aconselhadas a trocar contactos com os homens terminando a sessão com elogios e até presentes.

385a8bdda8410c99c2ec15d13c55edd41459700465

A supracitada legislação é comentada com repúdio. “Isto já está mau para nós, imagina como será depois”. Pergunto se não preferiam um estatuto profissional documentado, proteção social, descontar, e outro tipo de apoios. “Nem pensar”. Entre os clientes que recebe, já acumula bizarrias suficientes e teme que a expansão acarretada com a legalização a prejudique ainda mais. Confesso ficar com a impressão de a ver aliviada por atender jovens universitários inócuos como nós por alternativa à clientela habitual e ela anui mas a veracidade da resposta é tão contestável como tudo o resto. Estudo esta clientela, à medida que, com o adiantar da hora, o espaço se compõe. Maioritariamente de homens de meia idade, vários tipos. Há os aguerridos, corpulentos e brutos, mas a maioria são comedidos, tímidos, desabituados às lides da sedução onde as raparigas são profissionais. Alguns serão casados, quiçá Pais de família. Porque não se encontram aninhados às suas esposas libertinas e sexualmente emancipadas?

Se estivéssemos em França, seriam considerados criminosos e agressivamente multados. Uma lei androfóbica criminaliza, desde o ano passado e à semelhança do sucedido na Suécia, Noruega e Reino Unido, a utilização de serviços de prostituição. Observo mais atentamente aos cavalheiros a quem a legislação Gaulesa apelida de criminosos e pergunto-me em que medida não serão vítimas, esgotando centenas (milhares?) de euros poupados e esforçados apenas para se sentirem intento de dissimulada admiração. A comparação inicial não vem a despropósito: Todas as casas de diversão (sob os vários CAE’s 563XX) vendem boas sensações, a mercadoria que – dos prostíbulos às redes sociais – mais valor comercial tem no século XXI. Um dispêndio num espaço nocturno concorrente onde a prostituição não esteja dissimuladamente implícita, mostra-se infortuito. Assim, evitando correr o risco de gastar montante equivalente ou superior para terminar a noite sozinho, o utilizador pretere as alternativas. Quem o pode julgar?

Prejudicando primeiramente as prostitutas, a lei francesa foi contestada pelo sindicato dos trabalhadores sexuais quem temeu, não uma defesa das sindicadas mas um estrangulamento da procura, trucidando a sua principal fonte de rendimentos. Pior do que condenar as prostitutas à prisão, a Esquerda libertina francesa, condenou-as à miséria.

Com dois clientes diários, a prostituta já recebeu no primeiro dia do mês e sem impostos ou descontos, mais de um terço do salário mínimo nacional. Disse-me a socióloga Alexandra Oliveira há alguns anos atrás que ouvira de uma profissional entrevistada, “Não há nada pior do que dormir com alguém de quem não gostamos”. Serão vítimas do capitalismo, argutas quanto baste para escapar ao fadário de baixos salários e conseguir uma vida melhor vendendo o corpo. E os “Joes”? Serão as vítimas do mercado sexual, desesperados quanto baste para escaparem à solidão e conseguirem fruir, recorrendo ao sexo pago. São duas classes de vítimas que se encontram no bordel, todos igualmente explorados.

Saímos pela madrugada em direcção depois de nos despedirmos calorosamente de todos os presentes. Diante da estação Roma-areeiro, o rapaz quem usufruiu dos serviços da casa, comentou “Acho que ela gostou mesmo de mim” e partilhou alguma das idiossincrasias da sua noite desde que nos havíamos separado. Sentiu ter recebido um tratamento especial e manifestou intenção de regressar. “Para ter sexo?” perguntei. “Para me sentir especial”.

Advertisements

Author: Myrddin Emrys

Apaixonado por ciência e política, nesta ordem. Igualitarista obsessivo. Por essa razão, odeia o feminismo e persegue a hipocrisia da Esquerda moderna que abandonou (com requintado desprezo) o combate à pobreza trocando-o pela promoção erótica de marialvas, hedonistas e pervertidos. Português, pequeno burguês. Artista de variedades, compositor popular, aprendiz de feiticeiro.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s