Governo das Esquerdas promove a Escola da Direita

O projecto de analfabetização nacional e desqualificação da mão-de-obra Portuguesa congeminado por Tiago Brandão Rodrigues e congéneres tem o propósito abjecto de desabilitar profissionalmente uma geração de Portugueses. Mas apenas pobres.

Um amigo jornalista considerava que o ministério mais ideológico de um governo era o Educação. Reflecte o presente, projecta o futuro. A tutela de Maria de Lurdes Rodrigues, por exemplo, é exemplificativa da época profundamente despesista e irresponsável em que se enquadrou, cumprindo a premissa Marxista de que a qualidade de vida era materialmente quantificável – O governo injectou dinheiro em tudo quanto mexia e o país faliu. E, embora luxuosamente equipado, o ensino faliu com ele: os estudantes liceais usufruíram de facilidades ímpar, as boas notas nos exames foram oferecidas, as escolas perderam diferenciação, os alunos competentes (e as suas competências) foram desvalorizadas perdendo peso no mercado de trabalho, na penetração no ensino superior. O governo atiçou o poderoso sindicato dos Professores quem se mobilizou contra a aferição docente pondo a cobro o seu objectivo de beneficiar a clique em prejuízo da instrução. Hoje, o lobby cogoverna o 107 da 5 de Outubro.

Veio Crato, o 26º ministro desde o 25 de Abril, cheio de promessas de mudança. E resistências. Os jargões acusam “só desinveste no ensino quem não aposta no futuro”. Mas até o desinvestimento é uma opção política, válida como as outras. Mais importante do que outorgar edifícios sumptuosos (e destruir os traços clássicos dos antigos e belíssimos liceus porque a fúria marxista exige permanente revolução), urgia corrigir ineficiências curriculares, otimizando os conteúdos rigorosamente. Crato fez essa promessa, de multiplicar os momentos de avaliação, de acabar com o ensino artístico, de focar a escola no seu exclusivo propósito tutor. O governo vigente pretende reverter tudo.

A escola enquanto justificação salarial dos sindicados pela FENPROF, a escola “aberta ao mundo e à vida” do Bloco de Esquerda, em nada se coaduna com a escola do Nuno Crato. As primeiras são intrinsecamente piores e por isso repudiáveis. Mas para satisfazer as necessidades coligativas ou para cumprir o projecto educativo de Adão e Silva et al dos quais Brandão Rodrigues não passa de um mero lacaio, a escola pública perde a unicidade de transmissão de conhecimentos às classes desfavorecidas e torna-se num laboratório de experiências Marxistas patrocinado pelo departamento de sociologia da Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa. Fará tudo menos ensinar.
Image result for iscte ps  sociologia

Nos próximos anos os alunos pouco aprenderão sobre a língua mãe (canibalizada pelo acordo ortográfico) e muito menos sobre a ciência ou a matemática. Pelo contrário, terão “aulas” sobre factos sociológicos, sobre participação cívica e sessões de doutrinação política. Também aprenderão sobre o feminismo, a história do feminismo, o contributo do feminismo, os benefícios do feminismo, as novas fronteiras do feminismo… Cinco títulos de cadeiras que tanto prepararão os nossos jovens para o sucesso profissional. Virão as culpas pós-colonialistas e o valor de movimentos como o Black Lives Matter, a discriminação: simples, múltipla e por associação. Virão aulas teológicas sobre o papel do Islão no mundo actual. Virão aulas historiográficas sobre Mao, Trotsky, Hoxha, Sandino. Virão colóquios sobre a violência doméstica, o assédio, as agressões, as micro-agressões, o micro-assédio, a necessidade de safe spaces e demais importações tresloucadas que a América Obamista produziu.

Virão debates intensivos sobre opções sexuais, opções de transformação sexual, transgenderismo, fluidez de género, fluidez do sexo, iniciação ao estudo do sexo, à valência do sexo, à importância do sexo, sexo sexo e mais sexo e qualquer palavra de decoro resultará em excomunhão e expulsão já que “A Abstinência pode matar”. Se, nas palavras do Prof. José Martinho Simões, “Ciência significa previsão” posso não ser tão preciso como os supracitados sociólogos mas prevejo que os alunos, habituados à sexologia nos intervalos e hoje muito mais púdicos do que no passado, desdenharão profundamente as apetências ministeriais.

As Capazes mais a Raquel Varela substituirão os manuais escolares e, remuneradas condignamente, farão muitos jantares no 100 maneiras. As raparigas de 11 anos estarão aptas a responder a provas detalhando o aborto enquanto os colegas adquirirão “consciência e domínio do corpo” leccionados pelo Professor Paulo Pedroso, instrução que ministra no Colégio Pina Manique há décadas.

À semelhança destes seus antigos alunos, as únicas vítimas desse aborto, serão as crianças pobres. Todos aqueles que puderem pagar colocarão a prole nas escolas privadas onde, entre os pingos da fiscalização, os filhos dos ricos continuarão a ser preparados para o mundo real. Mais, o decaimento da escola pública garantirá a ausência de concorrência nos universos que estes tarados não tutelam, quer no mercado de trabalho, quer nas candidaturas ao ensino superior. Faculdades de Ciência, Medicina, Engenharia e Economia nas Universidades prestigiadas voltarão a ser propriedade dos filhos dos ricos, um regresso aos dias académicos de Eduardo Ferro Rodrigues.

Em resposta a uma questão sobre se se declarava como “supremacista branco” Milo Yannopoulos assumiu que os Estados Unidos apresentavam uma sociedade desigual, injusta para os estadounidenses pretos. Mas que a solução para resolver as vigentes desigualdades, ao invés do BLM, era criar uma alternativa onde os miúdos espertos, estudiosos, dedicados e trabalhadores pudessem chegar a Harvard em igualdade de circunstâncias. Para tal era necessário construir uma escola inclusora, igualitária e, claro, com meios, mas também que fosse uma escola qual nivelasse por cima, estrita, rigorosa e muito exigente. Todo o desvio beneficia aqueles que podem pagar explicações, formações paralelas, entrada em IES privadas ou para quem o mundo do trabalho será sempre um corpo estranho pois herdaram empresas, acções, créditos, propriedades e poderão viver de rendas toda a vida. Pelo contrário, a bipartição entre uma escola privada gerida com seriedade e primazia, e uma escola pública abandalhada, desprovida de matérias e com orientação ideológica, vai sempre prejudicar quem se resigna ao público por falta de meios. A escola boa é a escola exigente. A escola exigente é a escola de Esquerda.

No fim da conferência, Milo Yannopoulos foi chamado de racista.
Image result for milo yiannopoulos supremacist
Promovemos um país que beneficia os filhos da elite e castra os filhos da plebe. Chamamos-lhe igualitário?

Advertisements

Author: Myrddin Emrys

Apaixonado por ciência e política, nesta ordem. Igualitarista obsessivo. Por essa razão, odeia o feminismo e persegue a hipocrisia da Esquerda moderna que abandonou (com requintado desprezo) o combate à pobreza trocando-o pela promoção erótica de marialvas, hedonistas e pervertidos. Português, pequeno burguês. Artista de variedades, compositor popular, aprendiz de feiticeiro.

3 thoughts on “Governo das Esquerdas promove a Escola da Direita”

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s